Escolha uma Página

Departamento de Ciência Política

Universidade Federal Fluminense

Teses 2016

FERNANDA DAS GRAÇAS CORRÊA

  • LATTES: http://lattes.cnpq.br/0706169752320464
  • TÍTULO: Políticas & Aquisições de Defesa: Uma Análise Histórica da Parceria Estratégica França-Brasil nos Séculos XX E XXI (1900-2016)
  • ORIENTADOR: THOMAS FERDINAND HEYE
  • RESUMO: Esta pesquisa tem por objetivo analisar as relações históricas entre França e Brasil na área de Defesa, desde as missões de instrução, aquisição de blindados até a entrada do Brasil nas eras supersônica, missilística e de asas rotativas, e, por meio de estudos de caso, esclarecer em que momento da história estas relações se configuraram como parceria estratégica. Considera-se nesta pesquisa a transferência de tecnologia um processo político tratado entre Estados como parte do desenvolvimento autônomo de programas estratégicos nacionais de defesa de longo prazo. Sustenta-se que a parceria estratégica entre França e Brasil por meio da transferência de tecnologia para programas estratégicos de defesa e os offsets, ademais de serem parte da Grande Estratégia da França, contribuirão para distribuir capacidades e exercer maior projeção política no sistema internacional.
  • PALAVRAS-CHAVE: Políticas de Defesa, Aquisições de Defesa, Parceria Estratégica França-Brasil, Projeção no Sistema Internacional.

JOSÉ CIMAR RODRIGUES PINTO

  • LATTES: http://lattes.cnpq.br/1054992853964814
  • TÍTULO: Relações Civis e Militares entre 1964 e 1985: Contribuição Teórica e Interpretativa
  • ORIENTADOR: JOSÉ AMARAL ARGOLO
  • RESUMO: O Brasil, de 1964 em diante, deixou de conviver com o golpismo militar, o qual, juntamente com outras formas de violência política, com origem nesse mesmo segmento armado, assolou todo o período republicano até aquela data, atividade que foi estimulada não somente por facções políticas, mas, também, por mecanismos constitucionais que os colocavam em posição arbitral, conduzindo-os a conquistar, manter ou repelir tentativas de assunção do Poder, ainda que temporariamente, por meio de intervenções no Estado, o que contribuía para corromper o modelo republicano e qualquer pretensão democrática da nação. Assim sendo, esta tese tem por objetivo analisar o processo das relações entre civis e militares, a partir do Movimento Civil e Militar de 31 de Março de 1964, por meio da pesquisa dos parâmetros de fixação dessa convivência, notadamente em relação ao percurso de ruptura com o paradigma anterior ao dessa data, a encruzilhada das várias alternativas e o encaminhamento das ações políticas e estratégicas no sentido de profissionalizar os militares, vale dizer, fazê-los convergir para uma configuração que a aproxima de modelo profissional equidistante da participação na política. Para alcançar essa finalidade, a investigação se apoiou em estruturas teóricas de relacionamento civis e militares mais diretamente associadas a esses períodos demarcatórios, apresentados na forma de modelos, além de outros aspectos intrinsecamente ligados ao sistema social militar, tais como, vocação militar, hierarquia e disciplina. No âmbito metodológico, adotou-se a abordagem hipotética dedutiva, aplicada na manipulação de variáveis amparadas em suposição de trajetória dialética, qual seja, de que, a partir do pressuposto da explicação contida no Modelo Moderador, conforme explicitado por Alfred Stepan (1971), foi aplicada, pelos governantes e líderes militares, uma ação de configuração contrária, denominada de Antimodelo de Enquadramento, a qual viria a resultar em uma forma de relacionamento muito próxima daquela proposta por Samuel Phillips Huntington (1996), denominada de Controle Civil Objetivo. O resultado do estudo conclui não somente pela confirmação da trajetória proposta na hipótese de trabalho, mas, também que ações extremistas de esquerda, juntamente com atividades de segmentos radicais e duros de direita, interferiram no processo, no sentido de prolongar a permanência dos governantes e interferir na formatação do relacionamento civil e militar, o que, ademais de restaurar as linhas de obediência, proporcionaram a possibilidade de alteração no rumo da democracia brasileira, no sentido de que seu desenvolvimento ficasse livre da tutela armada.
  • PALAVRAS-CHAVE: Relações entre Civis e Militares. Brasil. Contribuição Teórica. Modelo Interpretativo.

MARCOS VALLE MACHADO DA SILVA

  • LATTES: http://lattes.cnpq.br/2040593162603704
  • TÍTULO: Percursos do conservadorismo contemporâneo nos Estados Unidos da América: a busca da coesão entre 1945 e 2014
  • ORIENTADOR: MARCIAL ALÉCIO GARCIA SUAREZ
  • RESUMO: A tese defendida é a de que o pensamento conservador nos EUA não é monolítico, apresentando diferentes ênfases e matizes, que passam por períodos de maior ou menor coesão em função da percepção da existência ou desvanecimento de ameaças internas e/ou externas aos valores e instituições vigentes e vistos como necessários a sociedade estadunidense. A tese está diretamente alinhada com a seguinte hipótese: a percepção e a identificação de ameaças internas e externas ao ideário conservador estão relacionadas com a maior ou menor coesão entre os diferentes matizes do conservadorismo nos EUA. Para o teste da hipótese enunciada e defesa da tese formulada a pesquisa teve como objetivo analisar o pensamento conservador nos EUA, ao longo do período compreendido entre 1945 e 2014, explorando os fatores internos e externos que conferiram maior ou menor coesão ao conservadorismo ao longo da moldura temporal adotada. Para a verificação da hipótese formulada foi adotado o método do Estudo de Caso, haja vista que é um método que permite testar hipóteses construídas com base em relações esperadas entre variáveis. No que tange a sua estrutura a tese possui quatro capítulos, além da Introdução e das Conclusões. O primeiro capítulo tem como objetivo específico uma aproximação teórica ao pensamento conservador e a analise de como o conservadorismo se manifestou nos EUA, evidenciando os fatores que propiciaram o seu despontar, bem como o seu significado no léxico político estadunidense. No segundo capítulo são analisados os matizes do conservadorismo nos EUA e os desdobramentos políticos do pensamento conservador naquele país, entre a década de 1950 e o início dos anos 1990, ou seja, a moldura temporal analisada corresponde ao período da chamada Guerra Fria. No terceiro capítulo é dada continuidade a analise iniciada no capítulo dois, porém com a moldura temporal delimitada pelo início da década de 1990 e o ano 2014. No quarto e último capítulo é feita a verificação da hipótese formulada, por meio de três Estudos de Caso: O período da Guerra Fria e a Reação e ao Comunismo; A Dissolução da URSS e os anos 1990; e O Despontar Neocon e os Atentados de 11 de setembro. Na Conclusão é apresentada a síntese dos resultados obtidos ao longo dos capítulos e evidenciado que o conservadorismo contemporâneo nos EUA apresenta diversos matizes que se manifestam no libertarianism, tradicionalismo, neoconservadorismo, conservadorismo social e no conservadorismo popular do Tea Party. É também apresentada a argumentação final acerca de como a percepção da existência ou do desvanecimento de ameaças internas e/ou externas, aos valores e instituições vigentes e identificadas como necessárias a sociedade estadunidense, proporcionou períodos de maior ou menor coesão aos matizes do pensamento conservador estadunidense.
  • PALAVRAS-CHAVE: Conservadorismo. Libertarianism. Tradicionalismo. Neoconservadorismo. Social Conservadorismo. Tea Party.

TAÍS RISTOFF

  • LATTES: http://lattes.cnpq.br/4844611943212975
  • TÍTULO: Desenvolvimento Nacional e Integração Regional: A atuação do BNDES na América do Sul no Governo Lula da Silva (2003-2010)
  • ORIENTADOR: ADRIANO DE FREIXO
  • CO-ORIENTADOR: BERNARDO KOCHER
  • RESUMO: Poucos países somam território, população e riqueza econômica como o Brasil no mundo. Ainda assim, historicamente, diante de todo esse potencial, a expressão do país na política internacional e seu peso econômico no mundo eram bastante reduzidos. Inserida em um contexto de contestação das premissas liberais, a eleição de Lula, em 2002, marcou uma guinada política acentuada no Brasil. Além de adotar um modelo de desenvolvimento calcado na distribuição de renda com expansão do mercado interno e com estabilidade macroeconômica, Lula adotou uma política externa independente e colocou o desenvolvimento econômico em seu centro. O BNDES foi transformado em um instrumento de política externa e passou a cumprir, dentro de uma estratégia ampla, um papel de destaque na integração da infraestrutura da América do Sul, contribuindo, também, para a promoção da internacionalização das grandes empresas brasileiras. Diante das divergências de interpretação em relação à natureza da política adotada, procuramos compreender o papel do Brasil na América do Sul e o tipo de liderança ou hegemonia exercida, que, conforme nossa hipótese, não se caracteriza por ser imperialista ou subimperialista.
  • PALAVRAS-CHAVE: Desenvolvimento Nacional, Integração Regional, Política Externa Brasileira, BNDES, Infraestrutura Regional.