Escolha uma Página

Departamento de Ciência Política

Universidade Federal Fluminense

Seminário do PPGCP

Seminário de Pesquisa, Christian Edward Cyril Lynch

29/04 às 14:00h – Sala 318 do Bloco N

Christian Edward Cyril Lynch
Instituto de Estudos Sociais e Políticos da UERJ

O Pensamento Político Brasileiro e o Fantasma da Condição Periférica

Seminário do PPGCP, Dolores Rocca Rivarola, 24/09 às 15:30

24/09 às 15:30h – Sala 307 do Bloco O

Dolores Rocca Rivarola
Universidade de Buenos Aires

Relaciones y definiciones de pertenencia en los conjuntos oficialistas o bases de sustentación activa de Lula (2002-2006) y Kirchner (2003-2007): Principales argumentos

Partiendo de un marco conceptual que postula un escenario político-electoral marcado por identidades políticas fluctuantes y de transformaciones en los partidos políticos, este trabajo presenta distintos argumentos acerca de las definiciones de pertenencia, las dinámicas internas y las relaciones mutuas y con el gobierno que establecían distintas organizaciones integradas dentro de dos conjuntos oficialistas: los formados en torno a los presidentes Néstor Kirchner (2003-2007) y Luiz Inácio Lula Da Silva (primer mandato: 2002-2006). Dado que pensar a estas dos bases de sustentación activa y organizada en términos de partido oficial o coalición de partidos implicaría una reducción forzada de la amplia heterogeneidad de organizaciones y espacios que conformaban la órbita política organizada de ambos líderes, se propone un abordaje a través del concepto de oficialismo. A partir de la decisión de orientar el análisis a la cuestión de las definiciones identitarias y de pertenencia al conjunto oficialista para comprender su dinámica interna, se ha optado, asimismo, por no estudiar al oficialismo sobre la base de una perspectiva de funcionamiento institucionalizado de las coaliciones de gobierno –que además se perfilaría inadecuada para abordar los contextos de representación brasilero y argentino en esos años– sino guiándonos por otro propósito: el deseo de comprender en profundidad, y a través de un trabajo empírico, las características de las bases de sustentación organizada que se conformaron en torno a los presidentes Néstor Kirchner y Luiz Inácio Lula Da Silva, a través del testimonio de entrevistados pertenecientes a distintas organizaciones y espacios oficialistas. Se distinguen para su análisis tres sectores dentro del conjunto oficialista: organizaciones sociales, centrales sindicales, “espacio partidario”.

Programação Completa do Seminário do PPGCP

Seminário do PPGCP, Fernando Cardim, 17/09 às 15h

17/09 às 14h – Auditório do Bloco O, Segundo Andar

Fernando Cardim
Departamento de Economia da UFRJ.

5 Anos Depois do Lehman: Um Balanço da Crise e Perspectivas

A crise econômica iniciada nos Estados Unidos em 2007, que se tornou internacional com a falência do banco de investimentos Lehman Brothers em 2008, já dura mais de cinco anos. Pela sua profundidade, duração e extensão geográfica já encontra paralelos apenas na década de 1930, inclusive no que se refere à volatilidade e fragilidade do movimento de recuperação que se observa nos Estados Unidos, enquanto a periferia da eurozona parece atingir a estabilidade do fundo do poço e países emergentes são atingidos por ondas de choque potencialmente mais fortes que as de 2008. Os desequilíbrios mais importantes que levaram ao movimento de contração econômica observada nesse período de 5 anos marcam agora o processo de estabilização e recuperação que tem tido impacto profundo e duradouro inclusive sobre instituições e práticas políticas nas regiões mais atingidas.

Programação Completa do Seminário do PPGCP

Seminário do PPGCP, Jessé de Souza, 18/06 às 15h

18/06 às 15h – Sala 307 do Bloco O

Jessé de Souza
Departamento de Ciências Sociais da UFJF.

Por Uma Crítica das Ciências Sociais Brasileira

A palestra pretende criticar em detalhe o déficit sociológico das teorias sociológicas dominantes para explicar o Brasil moderno. Além da crítica, pretende-se desenvolver um ponto de partida teórico alternativo que pretende superar os déficits das teorias anteriores.

Programação Completa do Seminário do PPGCP

Seminário do PPGCP, Cristina Buarque de Hollanda, 30/04 às 15h

30/04 às 15h – Sala 307 do Bloco O

Cristina Buarque de Hollanda
Departamento de Ciência Política da UFRJ.

Primeiro Parágrafo

A novidade da República no Brasil não escapou à experiência de desordem da cena pública. As crises de sucessão política que inauguraram o novo regime expuseram a fragilidade do seu arranjo formal. Pouco antes da passagem ao século XX, o improviso de ordem que nasceu do ajuste político de Campos Sales baseou-se no sacrifício dos princípios da representação liberal, estranhos à socialização política brasileira. O vínculo frouxo ou mesmo inexistente entre votos e mandatos manteve o povo como ator político marginal e confinou a reprodução das casas legislativas e executivas aos quadros de poder já constituídos.

Texto Completo

Programação Completa do Seminário do PPGCP

Seminário do PPGCP, Ronaldo Vainfas, 19/03 às 15h

19/03 às 15h – Sala 307 do Bloco O

Ronaldo Vainfas
Departamento de História da UFF.

Resumo

Antônio Vieira. Reflexões sobre o texto biográfico, suas potencialidades e limites. O problema da ilusão biográfica (Bourdieu) versus o peso das imprevisibilidades na trajetória dos indivíduos e na história geral. Possibilidades da biografia iluminar questões centrais da época do personagem. A importância do indivíduo e do fato no processo histórico.

Programação Completa do Seminário do PPGCP

Seminário do PPGCP, Álvaro de Vita, 25/09 às 15h

25/09 às 15h – Sala 307 do Bloco O

Álvaro de Vita
Departamento de Ciência Política da USP

Resumo

Examina-se o debate normativo contemporâneo sobre a justiça social da perspectiva da teoria política normativa do “liberalismo igualitário”. Serão discutidos os méritos relativos do liberalismo igualitário em contraste com duas posições normativas (influentes nesse debate) que rejeitam a proposição de que a justiça requer alguma forma de igualdade socioeconômica: o “libertarianismo” e o “suficientismo”. Em contraposição a uma teoria política liberal anti-igualitária, o “libertarianismo”, argumenta-se que uma noção de “liberdade efetiva”, e não de liberdade negativa, é central para o liberalismo igualitário. E, em contraste com uma perspectiva normativa sobre questões de disparidades socioeconômicas que se expressa na defesa de um padrão de suficiência, serão examinadas razões pelas quais devemos, em uma sociedade democrática, nos preocupar não somente com a abolição da pobreza, mas também com disparidades relativas de vantagens sociais.

Artigo Completo

Programação completa do Seminário do PPGCP em 2012

Seminário do PPGCP, Luiz Eduardo Soares, 29/05 às 15h

29/05 às 15h – Sala 307 do Bloco O

Luiz Eduardo Soares
Departamento de Ciências Sociais da UERJ

Trecho da entrevista concedida a Revista Estudos Políticos acerca da trajetória acadêmica e intelectual e sobre o livro Justiça

Qual é a dramaturgia? Eu acho que não é absolutamente a dramaturgia que está no repertório dos grupos ou pelo menos de alguns grupos que estavam presentes, porque aquilo remete a cenas conhecidas e decodificadas a partir de uma perspectiva extremamente conservadora, que acaba invertendo papéis e tornando os velhinhos, velhinhos vítimas, quando eles são algozes, torturadores e assassinos. Então, se nós firmássemos a posição de que o país não pode tolerar a celebração da tortura, do assassinato e de um Estado repugnante, que nos custou tantos anos e tantas vidas etc. etc. Se nós formos capazes de vocalizar isso… Nós precisamos fazer. Precisamos fazer de uma maneira a sensibilizar a todos com a empatia dos que compartilham conosco e com os nossos valores. Nós não podemos criar uma fratura por erro de dramaturgia e por erro de metodologia. Isso é um equívoco político primário. É compreensível, entretanto. Se eu estivesse lá e se perdesse a cabeça, olhando algumas daquelas pessoas, agisse dessa forma precipitada e violenta, que fosse, eu compreenderia do ponto de vista individual, de qualquer ser humano. Como eu compreendo a vingança como um sentimento, é claro. Mas eu não aprovaria como metodologia de ação política, como cena a ser dramatizada. Isso não ajuda, isso não amplia, isso não focaliza este guia do nosso ponto, não deixa os lados claros. Por isso as mães da Praça de Maio tiveram tanto êxito, elas são um avesso disso tudo. Elas estão ali falando sobre os filhos que lhes foram roubados aos montes, elas falam como mães. Ali não tem como você dizer que eles são vândalos, de noção esquerdista. Aí enfim, não há como você descaracterizar ou desqualificar. Como é que a segurança pública entra nisso? A meu juízo, segurança pública é indissociável da própria idéia de Estado, Estado como um campo de direito. Se você pensar na cidade, de modo a circunscrever o seu poder, você tem classes sociais, tem Estado. Se você não sabe como suprimir o Estado e como suprimir as classes, é porque não está no nosso horizonte histórico. Então, se existe um Estado, ele tem que ser limitado, contido. E ele tem de conviver com o máximo de participação, de possibilidades de ampliação das lutas sociais, redução de desigualdades etc. Para que nós organizamos o Estado desta maneira, para que ele se torne mais compatível com um processo positivo do que é impositivo, nós temos de ordenar instituições. Um elemento fundamental é a legalidade, a produção de normas, a produção legislativa. Isso é crucial para que as expectativas, digamos, contratuais vigorem. Para isso, é preciso criar as tais leis que sejam aplicadas, que sejam cumpridas, que sejam garantidas. As instituições do Estado de missão repressiva cumprem um papel importante que seria, deveria ser, de garantir o respeito aos direitos conquistados, os direitos e liberdades conquistadas. Então, você entender que essas instituições que usam a força, deveriam usar a força de forma comedida, em benefício da cidadania, para impedir que o cidadãos sofram violações em seus direitos, em suas liberdades, você entenderia a dimensão positiva da repressão, uma palavra maldita em nosso vocabulário, equivocadamente maldita. Compreende-se a sua maldição evidentemente pelo histórico ao qual ela está associada. Mas se imaginarmos que uma criança nasceu e será violada, e que nos lançamos contra o violador pra proteger a criança, nós não diremos que estamos reprimindo o desejo desse indivíduo, diremos que estamos defendendo a vida, a integridade física, a integridade moral da pessoa.

A entrevista na íntegra.

Programação completa do Seminário do PPGCP em 2012

Seminário do PPGCP, Gail Triner, 24/04 às 15h

24/04 às 15h – Sala 307 do Bloco O

Gail Triner
Departamento de História da Rutgers University, pesquisadora visitante no PPGCP da UFF.

Resumo

No livro recém-lançado, Minerals and the State in Brazilian Development (Pickering and Chatto: 2011) eu monto o argumento que as leis e práticas aplicadas aos recursos do subsolo se implicam profundamente no ambiente instituicional que define a economia e a política brasileira no longo prazo. Protegendo sua soberania do subsolo, o setor foi fundamental para a União para promover uma indústria dos ben-de-capitais com escala enorme e na construção do papel econômico do estado durante o século XX. O subsolo no domínio público ficou interligado com as leis de propriedade geral, proibindo a divisão dos bens imobiliados, em uma maneira que constrangia o acesso dos atores privados aos recursos minerais. As interligações entre um regime dos direitos ao subsolo, baseados nos princípios coloniais, e as estruturas da governança que têm bases no corporatismo político e econômico, contribuíam fortemente ao papel econômico do estado brasileiro.

No trabalho faço um resumo dos argumentos principais do livro, mais estendo as conclusões aos debates das ‘Variedades do Capitalismo’ (V-C). O trabalho demonstra o processo histórico que determinava a consolidação do Brasil como uma ‘economia com mercado heirarquiazado.’ Este estudo-de-caso incorpora dinamismo dentro dos argumentos da V-C ao mesmo tempo que explora as bases históricas na diferenciação entre as economias capitalistas.

Ao fim da palestra apresentarei um resumo curto das minhas pesquisas atuais sobre ‘Non-renewable Natural Resources, Institutions and Globalization in the Modern Brazilian Economy.’ Este projeto extende as pesquisas sobre a história das instituições da economia-política brasileira para considerar o re-estruturamento (ou não) instituicional dentro do contexto de uma regime globalmente aberto e a nova posição da indústria petroleira brasileira.

Hierarchical Market Economy and State Capitalism in Brazil: Its Origins in Iron Ore

Programação completa do Seminário do PPGCP em 2012